O desafio de trazer o passageiro de volta ao ônibus

por Otávio Vieira da Cunha Filho
Presidente da NTU

O desafio de trazer o passageiro de volta ao ônibus
31/01/2018 | Opinião

É fato que os ônibus urbanos estão perdendo passageiros. Só no período 2013-2016 o serviço acumula uma perda de passageiros de 18,1% em todo o Brasil – são três milhões de usuários a menos por dia.

A redução ocorre mesmo num contexto de severa crise econômica, que destroça orçamentos familiares e adia planos de compra de bens, como automóveis, por exemplo. Nesse cenário, o raciocínio lógico induz a acreditar que o número de usuários do transporte público deveria ser maior, por tratar-se de modo economicamente mais acessível.

Não é fácil de entender, mas há explicação. Além da elevada taxa de desemprego, que elimina a necessidade de inúmeros deslocamentos diários e restringe a concessão do vale-transporte, benefício trabalhista que favorece a mobilidade, outros fatores devem ser considerados, se queremos reverter esse quadro em 2018.

O recente estudo Mobilidade da População Urbana 2017, da CNT/NTU, comprova que o modo ônibus deixou de ser utilizado por parcela considerável da população. Entre os entrevistados, 38,2% diminuíram o uso ou pararam de usar o coletivo como meio de transporte público.

A constatação mais preocupante é a de que os passageiros de classes com menor poder aquisitivo (C, D e E) trocaram o ônibus pelos deslocamentos a pé (69,8%), um claro efeito da crise. Na outra ponta, as classes com maior renda (A e B) substituíram o ônibus pelo automóvel; entre os entrevistados da classe A, por exemplo, 79,1% passaram a usar carro próprio.

A pesquisa aponta que os principais motivos para essa substituição do ônibus incluem a falta de flexibilidade dos serviços (30,3%), o elevado preço das tarifas (29,5%) e o desconforto (29,2%). Os problemas são visíveis e cumulativos, causando um efeito de bola de neve que desequilibra economicamente o setor e agrava as condições de operação do serviço.

O efeito se traduz em novos estragos, como o aumento progressivo do transporte individual nas vias, especialmente de automóveis, favorecendo o surgimento de engarrafamentos que provocam a diminuição da velocidade do ônibus e, consequentemente, o desgaste na confiança do passageiro, receoso em optar por esse modo de transporte. Uma autêntica situação “perde-perde”, na qual a “solução” piora o problema e compromete cada vez mais a mobilidade urbana.

Cabe ressaltar que não há resposta eficaz ao problema que não esteja baseada nas opções coletivas de transporte, capazes de atender a um número muito maior de usuários a um menor custo, com reduzido impacto ambiental e uso mais racional do espaço viário. Caminhos existem, como a priorização do transporte público, que reduz o tempo de espera e de viagem. Para isso, autoridades e operadores precisam trabalhar juntos para consolidar um novo modelo de gestão, custeio e investimentos em infraestrutura que consiga trazer de volta a demanda de passageiros perdida.

Otávio Vieira da Cunha Filho
Presidente executivo da NTU

* Artigo publicado na Revista NTU Urbano

Muito além do aumento da tarifa

por Otávio Vieira da Cunha Filho
Presidente da NTU

+

O desafio de trazer o passageiro de volta ao ônibus

por Otávio Vieira da Cunha Filho
Presidente da NTU

+

Uma passagem para o futuro

por Mauricio Gulin
Presidente do Setransp

+
© 2017 EMPRESAS DE ÔNIBUS DE CURITIBA E REGIÃO METROPOLITANA | Feito à mão e em pixel por br + vm