Empresários de ônibus apresentam propostas para recuperação do transporte coletivo

Prioridade ao ônibus nas vias é fundamental

Empresários de ônibus apresentam propostas para recuperação do transporte coletivo
23/03/2018 | Imprensa

Empresários de ônibus de todo o país reuniram-se na terça-feira (20) na sede da NTU (Associação Nacional das Empresas de Transportes Urbanos), em Brasília, para debater a grave crise do sistema de transporte coletivo no Brasil e apontar caminhos para superá-la.

No fim do encontro foi elaborada a Carta de Brasília, um documento que contextualiza as dificuldades atuais e sugere soluções, como o financiamento de parte dos custos operacionais do transporte coletivo pelo transporte individual (Cide Verde), cobertura das gratuidades por toda a sociedade – e não apenas pelos passageiros pagantes -, prioridade do transporte coletivo nas vias (faixas exclusivas), exposição clara dos custos operacionais do sistema e cumprimento rigoroso dos contratos de concessão.

A Carta de Brasília será enviada ao presidente Michel Temer, aos presidentes da Câmara e do Senado, aos Ministérios da Fazenda, Planejamento e Cidades, Secretarias de Transporte e Mobilidade, Assembleias Legislativas e Câmaras Municipais.

“É fundamental dar prioridade ao transporte coletivo nas ruas”, afirma o diretor-executivo das Empresas de Ônibus de Curitiba e Região Metropolitana, Luiz Alberto Lenz César. Ele lembra que os ônibus ocupam 20% das vias e transportam 70% da população, enquanto os carros ocupam 75% das vias e transportam 20% da população. “O transporte coletivo é o caminho para diminuir os congestionamentos nas cidades”. Além disso, aponta Lenz César, como o ônibus transporta muito mais gente que os carros, investir no transporte coletivo é investir em menos poluição, em uso mais racional do espaço urbano.

Abaixo, faça o download da Carta de Brasília.

Baixar Release

Empresários de ônibus apresentam propostas para recuperação do transporte coletivo

Prioridade ao ônibus nas vias é fundamental

+

Por dia, linha Alferes Poli custa R$ 1,4 mil, mas só arrecada R$ 98; entenda

Situação ocorre devido à falta de segurança

+

Total de pessoas que pulam a catraca sobe e chega a quase 4 mil por dia

Prejuízo é da ordem de R$ 6 milhões por ano

+
© 2017 EMPRESAS DE ÔNIBUS DE CURITIBA E REGIÃO METROPOLITANA | Feito à mão e em pixel por br + vm